Blogueiros têm que se profissionalizar?

Uma dos pontos polêmicos durante a palestra sobre publicidade nas mídias sociais na Campus Party foi a necessidade da profissionalização dos blogueiros. Marcelo Trípoli (iThink) comparou o trabalho de relacionamento com mídias sociais ao da assessoria de imprensa. “Nenhuma assessoria séria promete que o cliente sairá na capa da Veja. O trabalho com mídia social não é diferente. Criamos alguns indicadores de resultados, como audiência, tempo de conversão, etc, mas não podemos garantir que o resultado seja do jeito que o cliente espera”. Gustavo Fortes (Espalhe)

Lucas Mello, LiveAd, declarou: o “blogueiro não tem que ser profissional, mas a marca sim. Uma empresa tem que ser profissional o bastante para saber se o produto está maduro para o mercado ou se é preciso investir um pouco mais antes do lançamento. Tem que ser profissional para saber que os blogs podem falar bem ou mal dela.”

A minha opinião: o que garante o retorno dos blogs é justamente a espontaneidade desse espaço. O leitor de um blog acredita que uma pessoa comum está escrevendo a sua verdadeira opinião sobre o assunto. É isso que confere credibilidade e gera o boca-a-boca. As relações devem ser baseadas na informação e transparência. É uma realidade que os assessores de imprensa e relações públicas já vivenciam há muito tempo e os publicitários estão aprendendo a lidar.

Anúncios

Publicitários ainda não sabem como lidar com a mídia social

O blogueiro não é um jornalista, portanto desconhece algumas práticas e condutas da imprensa. Tampouco é um consumidor comum que possa ser convencido. O blogueiro é um formador de opinião e há técnicas específicas para o relacionamento com um formador de opinião. Por isso as agências de publicidade ainda estão se perdendo na abordagem desse público. A matéria de capa do caderno de Informática da Folha de São Paulo publicada nessa semana (26/03) comprova isso. 

“(…) a fim de estimular o boca-a-boca nas diversas mídias sociais, algumas empresas e agências de publicidade apelam para o que se chama de post pago -ação que gera polêmica no mundo dos blogs.
“Tem que existir um engajamento natural das pessoas. Se o anunciante quer um post opinativo, faça algo relevante para o blog e seu público, crie algo que gere reações espontâneas. Convide para um evento, envie produtos para testes, converse com o blogueiro. Se achar que vale, ele posta. O mais importante é que as partes saibam que não existe compromisso”, diz Carlos Merigo, do blog Brainstorm #9 (…)”
 

A área de assessoria de imprensa, acostumada a lidar com os jornalistas, também está experimentando e descobrindo a melhor maneira de fazer esse contato. E, assim como os publicitários, ainda tropeça. As agências de marketing digital entraram nessa seara, mas, muitas vezes, de uma forma agressiva, com foco no convencimento. 

O que não podemos esquecer é que a Internet é um novo meio, mas as teorias e técnicas são antigas. Ou seja, não podemos nos apropriar desse meio de forma irresponsável, sem entender o público e fazer um estudo da audiência e recepção, sem aproveitar todo o conhecimento sobre como estabelecer relacionamento com formadores de opinião.  O melhor caminho não é a publicidade nem os textos formais dos press releases. É muito mais que isso. É por isso que está se desenhando um novo perfil de profissional no mercado: o gestor de mídias sociais. Esse terá que conhecer um pouco de cada uma dessas áreas e integrá-las de maneira inteligente.
 

A difícil tarefa de manter um blog atualizado

Em casa de ferreiro… Não vou ficar dando desculpas pela minha ausência nesse blog há mais de 1 mês (se bem que tenho várias…), mas sim usar esse mau exemplo para discutir a possibilidade de terceirizar o blog corporativo. Quando um executivo resolve produzir essa ferramenta por conta própria, contando com um tempo livre para a redação do conteúdo e/ou monitoramento dos comentários, corre o risco de deixar o blog para segundo plano diante de qualquer imprevisto. Há toda uma discussão no mercado blogueiro se é ético ou não um terceiro produzir os textos de um CEO, por exemplo. Mas na minha opinião, o ético é ser transparente. Se um CEO contrata uma empresa ou um profissional para escrever seu blog, deve deixar claro que é alguém que redige seus posts com base em um briefing. A vantagem de ter uma agência de comunicação como a Trama por trás do projeto do blog é contar com uma equipe dedicada ao projeto, um cronograma é estabelecido e relatórios são gerados periodicamente. 

Workshop blogs e mídias sociais na Trama Comunicação

Hoje nós realizamos na Trama Comunicação mais um treinamento interno sobre blogs e o uso dessa ferramenta como estratégia central de ações de mídia social. Na semana passada participei de um evento sobre esse tema organizado pela Jump Education e hoje tinha como missão dividir meu conhecimento com o restante da empresa.  A reunião foi muito bacana porque também contamos com a participação do blogueiro Gabriel Jacob, que falou um pouco sobre a web 2.0 e contou como é o relacionamento que as assessorias de imprensa tem desenvolvido com o seu blog.

Blogs revolucionam comunicação

“Se Gutemberg levantasse a cabeça… programaria um CMS de blogs”. A frase do espanhol José Luis Antunez no livro “Blogs: Revolucionando os Meios de Comunicação”,  compara o impacto dos blogs na comunicação à invenção da imprensa no século XV pelo inventor alemão Johann Gutemberg.

No estudo “O Estado da Blogosfera”, o site especializado em buscas em blogs Technorati, registrou em 2007 cerca de 35,5 milhões de blogs, nos quais são publicados 1,2 milhão de notas por dia, uma média de 50 mil por hora.

Agora, uma pergunta comum: como começar o seu blog ou o blog de sua empresa? Não há receita de bolo, embora tenham muitas dicas interessantes na web para quem estiver disposto a pesquisar e ler. Mas existe um segredo: experimentar. Esse mundo é novo e ainda estamos todos numa fase de experimentação. O aconselhável é associar o projeto do blog a sua estratégia de marketing digital e atentar para que esse meio responda às necessidades de informação dos seus públicos. Depois disso, é necessário aperfeiçoar constantemente o projeto editorial dessa ferramenta à medida que recebe comentários e analisa os números de leitura. Não vou dizer que não seja preciso investimento, embora essa seja uma das ferramentas mais baratas de comunicação empresarial. Entretanto, muito mais que verba, você e sua empresa precisam de pessoas inteligentes à frente desse projeto.