Palestra na Jump Education

Na semana passada fiz uma apresentação dos casos de sucesso em mídia social da Trama Comunicação. Minha participação ilustrou os conceitos sobre Relações públicas 2.0  apresentados antes pela consultora em web Cátia Lassalvia.  Depois almoçamos com os principais executivos da Jump Education e a informação que tive é que a crise econômico tem levado muitos alunos para a instituição. São dois públicos principais: o primeiro de agências de publicidade off line e o outro das pessoas desempregadas que estão procurando se capacitar para entrar no mercado de trabalho.

No caso das agências de publicidade, não é muita novidade que as tradicionais que perderam as grandes receitas e lucros gerados a partir de anúncios tradicionais, estão tendo que rebolar. O que corre todo mercado, apesar de não existirem ainda dados ou casos concretos, é que as maiores empresas reduziram a verba total de publicidade e aumentaram o percentual a ser destinado à web. Então só restou aos profissionais correram atrás de capacitação para lidar com essa nova realidade. O principal desafio é encontrar metodologias e métricas para mensurar resultados de ações em mídias sociais.

Com tudo isso, acredito que o mercado tende a se profissionalizar ainda mais. Mas a briga vai ser feia entre as agências de relações públicas, marketing, publicidade e de web. Como trabalhar com mídia social e web, como afirmei no meu post anterior,  pressupões conhecer um pouco sobre cada uma dessas áreas e ir um pouco além, todos estão disputando quem vai abocanhar esse orçamento. Não sou a favor da briga, embora sempre puxe a sardinha para o lado das relações públicas. Creio que o que a gente precisa é unir esforços para combinar a multidisciplinaridade que essas iniciativas exigem. Mas como tenho um pé atrás com muitos profissionais de publicidade, acho difícil que isso aconteça como deveria.

Anúncios

Blogueiros têm que se profissionalizar?

Uma dos pontos polêmicos durante a palestra sobre publicidade nas mídias sociais na Campus Party foi a necessidade da profissionalização dos blogueiros. Marcelo Trípoli (iThink) comparou o trabalho de relacionamento com mídias sociais ao da assessoria de imprensa. “Nenhuma assessoria séria promete que o cliente sairá na capa da Veja. O trabalho com mídia social não é diferente. Criamos alguns indicadores de resultados, como audiência, tempo de conversão, etc, mas não podemos garantir que o resultado seja do jeito que o cliente espera”. Gustavo Fortes (Espalhe)

Lucas Mello, LiveAd, declarou: o “blogueiro não tem que ser profissional, mas a marca sim. Uma empresa tem que ser profissional o bastante para saber se o produto está maduro para o mercado ou se é preciso investir um pouco mais antes do lançamento. Tem que ser profissional para saber que os blogs podem falar bem ou mal dela.”

A minha opinião: o que garante o retorno dos blogs é justamente a espontaneidade desse espaço. O leitor de um blog acredita que uma pessoa comum está escrevendo a sua verdadeira opinião sobre o assunto. É isso que confere credibilidade e gera o boca-a-boca. As relações devem ser baseadas na informação e transparência. É uma realidade que os assessores de imprensa e relações públicas já vivenciam há muito tempo e os publicitários estão aprendendo a lidar.